Paulo Câmara assegura mais um passo na viabilização da Transnordestina rumo a Suape

|    Porto
Imprimir

Governador obteve o compromisso do Ministério da Infraestrutura de que uma consulta pública para retirada da Ilha de Cocaia dos limites do Porto Organizado será iniciada na próxima semana

 

reuniao brasilia capa

 

BRASÍLIA - O governador Paulo Câmara assegurou, nesta quinta-feira (02.12), o compromisso do ministro da Infraestrutura, Tarcísio de Freitas, de iniciar, a partir do próximo dia 7, uma consulta pública para a retirada da Ilha de Cocaia dos limites do Porto de Suape. Uma vez retirada da chamada Poligonal do Porto Organizado de Suape, a ilha se torna viável para instalação de um terminal privado de minério de ferro.

Com isso, a construção da ferrovia, conectando as jazidas de ferro no interior do Piauí ao Porto de Suape se torna economicamente atrativa e consolida o empreendimento da Mineradora Bemisa, cuja outorga também deve ser assinada na próxima semana pelo ministro. A Bemisa é o investidor privado captado pelo Governo de Pernambuco para viabilizar a ferrovia, por contrato de concessão.

“Concretizar a ligação ferroviária entre o Piauí e o Porto de Suape é uma prioridade para nós. Captamos um investidor privado para fazer a obra e estamos trabalhando para tornar o negócio viável, com a instalação do terminal de minério na Ilha de Cocaia. A ferrovia vai cortar o Estado de ponta a ponta e será mais uma grande vantagem logística para Pernambuco”, avaliou Paulo Câmara.

Para o diretor-presidente do Porto de Suape, Roberto Gusmão, o compromisso firmado entre o governador e o ministro reforça as expectativas de que o terminal será uma realidade para o complexo. Nós vamos ter o ramal e o terminal de minérios aqui em Pernambuco. Esse compromisso selado entre o ministro e o governador elevará a movimentação de cargas no porto a outro patamar quando a ferrovia estiver em funcionamento”, agregou o gestor.

A solicitação de construção de um eixo ferroviário de 717 quilômetros entre a cidade de Curral Novo, no Piauí, e o Porto de Suape, em Pernambuco, foi realizada pela Bemisa, e representa uma alternativa à Transnordestina, cuja obra, iniciada em 2006, permanece inacabada por conta de impasses entre a TLSA – empresa responsável pela construção e exploração do serviço – e o governo federal.

Acompanharam o governador na reunião com o ministro Tarcísio de Freitas, em Brasília, o deputado federal Fernando Monteiro, e o presidente do Porto de Suape, Roberto Gusmão.