Seu navegador não suporta java script, alguns recursos estarão limitados. Histórico

Histórico

  • Década de 60 – Estudos começaram a ser realizados para analisar a viabilidade da implantação de um “super-porto” destinado à exportação e à instalação de indústrias no seu entorno. A ideia era criar um porto para que ele gerasse demanda e não apenas atendesse à demanda já existente na região.

  • Década de 70 – A concepção de Suape originou-se no moderno conceito de integração porto-indústria, já existente no Porto de Marseille-Fos, na França e de Kashima, no Japão.

  • A escolha da região de Suape para localização do porto se deu pelas seguintes condições: águas profundas junto à linha da costa, com cerca de 17 metros a cerca de 1,2 quilômetros do cordão de arrecifes; Quebra-mar natural formado pelos arrecifes; extensa área para implantação de um parque industrial; distância da movimentação metropolitana da cidade do Recife.

  • A partir de 1973, começou a ser elaborado o plano diretor para a implantação do complexo industrial e portuário, integrando extensa área para indústrias e serviços de apoio ao porto marítimo;

  • Em 1974 foi lançada a Pedra Fundamental do Porto de Suape no governo de Eraldo Gueiros Leite;

  • Em 1976, foi criado um grupo interministerial com a finalidade de examinar a viabilidade técnica, econômica e financeira do projeto. Com a conclusão desses estudos, em 1977, tiveram início os primeiros serviços e a desapropriação de cerca de 13,5 mil hectares de terras. Após essa fase, foram iniciadas as obras de infraestrutura portuária, sistema viário interno, abastecimento de água, energia elétrica e telecomunicações;

  • Em 7 de novembro de 1978, por meio da Lei Estadual nº. 7.763, criou-se a empresa SUAPE – Complexo Industrial Portuário, com a finalidade de administrar a implantação do distrito industrial, o desenvolvimento das obras e a exploração das atividades portuárias.

  • Em 1983, Porto de Suape começou a operar, efetivamente, através da movimentação de álcool pela Petrobrás, que utilizou o recém-inaugurado Píer de Granéis Líquidos, o PGL – 1. Para realizar o armazenamento do combustível, a Petrobrás instalou na área portuária 4 tanques de 5 mil m³ cada um;

  • No ano de 1984 foi construído o molhe, em pedras, para proteção da entrada do porto interno, aberta no cordão de arrecifes;

  • Em 1986, após um incêndio de um navio de combustível no Porto do Recife, terminal que atendia ao Estado desde 1918, o então governador de Pernambuco, Roberto Magalhães, ordenou que as empresas de combustíveis que estavam instaladas naquele local viessem para Suape. O que era apenas um projeto, com o incidente, foi acelerado. Das mais conhecidas, a BR Distribuidora, a Shell, a Texaco e a Esso começaram a formar em Suape o “Pool de Derivados de Petróleo”;

  • Ainda no ano de 1986, devido a necessidade de desembarque de outros tipos de cargas, além de combustíveis, iniciou-se a construção do Cais de Múltiplos Usos, o CMU. Através deste berço poderiam ser movimentados contêineres e granéis sólidos.

  • Em 1991 o Cais de Múltiplos Usos começa a operar e o Porto de Suape foi incluído na lista dos 11 portos prioritários do Brasil, para os quais se deveriam direcionar os recursos públicos federais de investimentos em infraestrutura portuária. A partir de então, Suape deixou de ser apenas um porto industrial para se tornar um porto concentrador de carga de uso público, aliado à grande profundidade junto à costa, há 1,2 quilômetro do cordão dos arrecifes. Os contêineres começaram a chegar em Suape e realizar a movimentação nesse mesmo cais;

  • No ano de 1996, Suape foi incluído no Programa Brasil em Ação, contando com apoio financeiro do Governo Federal para a implantação da primeira etapa de seu porto interno;

  • Em 1999, a construção do porto interno foi concluída, com 925 metros de novos cais acessados por uma abertura na linha de arrecifes, com 300m de largura e 15,5m de profundidade.

  • O Píer de Granéis Líquidos 2, ou PGL-2, começou a ser construído em 2000 e no ano seguinte foi inaugurado;

  • Em 2001, foi iniciada a construção da segunda etapa do porto interno com a dragagem de mais de 1 milhão e 300 mil m³ de areia, estendendo o canal de navegação em mais 450 metros, onde seria construído o cais 4, com 330 metros. Ainda nesse mesmo ano, os cais 2 e 3 do porto interno foram arrendados pela empresa Tecon Suape;

  • Para atender à expansão da zona portuária e ao aumento significativo da movimentação de cargas, deu-se início à execução da duplicação da Avenida Portuária, com extensão de 4,4 quilômetros em 2002. Ainda para atender às necessidades da expansão da Zona Portuária, também foi iniciada a construção do primeiro Prédio da Central de Operações Portuárias, que abrigaria as autoridades portuárias operantes em Suape;

  • Em 2003, o Porto de Suape recebeu da Food and Drug Administration (FDA), vinculada ao governo dos Estados Unidos da América, um certificado internacional que atesta o  atendimento às medidas da lei contra o bioterrorismo;

  • O Centro de Treinamento do Complexo de Suape foi inaugurado em 2004, com o intuito de promover a inclusão educacional para os moradores do entorno de Suape e para funcionários do complexo;

  • Em 2005, é lançada a pedra fundamental da Refinaria General José Ignácio Abreu e Lima. Após cerca de 50 anos de lutas, a refinaria chega a Pernambuco;

  • A empresa italiana Mossi & Ghisolf foi inaugurada em 2006. A M&G opera cinco unidades industriais no Brasil, distribuídas em três estados: São Paulo, Minas Gerais e Pernambuco;

  • O Estaleiro Atlântico Sul foi inaugurado em 2008, sendo o primeiro empreendimento do Polo Naval de Suape;

  • O Cais 5 foi inaugurado em 2009. Com 343 metros de comprimento, este cais movimenta, principalmente, cargas gerais e granéis sólidos;

  • A empresa espanhola do grupo Gonvarri, GRI Towers, chegou em 2009 para produzir torres eólicas;

  • Uma das principais empresas de agronegócio e alimentos, a Bunge foi inaugurada em no Porto de Suape em 2009, com cerca de R$ 196 milhões em investimentos.

  • A Campari, fábrica de 32 mil metros quadrados, foi construída em 2010 no Complexo de Suape em substituição à planta localizada em Jaboatão dos Guararapes;

  • Em 2010, a administração do Complexo Industrial Portuário de Suape realizou o seu primeiro concurso público;

  • O Plano Diretor Suape 2030 entrou em vigor em setembro de 2011 com o objetivo de ordenar o crescimento do Complexo Industrial Portuário de Suape. O novo plano organizou as Zonas Industriais (ZIs) e ampliou a Zona de Proteção Ecológica (ZPEC) de 46% para 59% de extensão;

  • Durante o ano de 2012, houve a inauguração das empresas Pernambuco Industrial, Indústria Brasileira de Gases (IBG) e Amcor. Em maio, foi entregue o primeiro navio petroleiro construído em Suape, pelo Estaleiro Atlântico Sul, o João Cândido, e em junho, foi entregue a duplicação da rodovia PE-60 e os três viadutos construídos, na altura do quilômetro dez;

  • No início de 2013, a administração do Suape inaugurou, o primeiro assentamento rural, denominado Valdir Ximenes, e que está situado no município de Barreiros, na Mata Sul do Estado. Atualmente, 126 famílias moram na área de 1,1 mil hectares, com lotes de 5 hectares para cada uma;

  • Em 2013 o Porto de Suape concluiu duas importantes obras de infraestrutura que foram o reforço dos cabeços Norte e Sul e a requalificação do Cais de Múltiplos Usos (CMU), estratégico no escoamento de cargas;

  • O Estaleiro Vard Promar, o segundo empreendimento do Polo Naval de Suape, foi inaugurado em junho de 2013. Além do Estaleiro, houve ainda a inauguração da empresa LM Wind Power e da planta de PTA da Petroquímica Suape;

  • No dia 8 de novembro de 2013, o Porto de Suape realizou a primeira movimentação de carga de petróleo bruto, preparando-se para atender às necessidades da Refinaria Abreu e Lima. Os Píeres de Granéis de Líquidos 3A e 3B, que recebem os navios petroleiros da Refinaria, entraram em operação em agosto do mesmo ano;

  • Em janeiro de 2014, iniciou a operação do complexo viário administrado pela Concessionária Rota do Atlântico, com 43 quilômetros de extensão, que dá acesso a Suape e às praias do Litoral Sul de Pernambuco. Também em 2014, a Aguilar y Salas inaugurou a sua fábrica de trocadores de calor, reatores e tanques no Complexo de Suape;

  • Em fevereiro de 2014, foi inaugurada a fábrica Cristal Pet. Em julho, foi iniciada a construção da fábrica da GRI Flanges, produtora de flanges eólicas e, em agosto, entrou em operação a primeira linha de PET da Petroquímica Suape;

  • O primeiro habitacional construído pela administração do Complexo Industrial Portuário de Suape foi entregue, em março de 2014, às 75 famílias que moravam na Ilha de Tatuoca. Nomeado Habitacional Vila Nova Tatuoca, o loteamento conta com parque infantil, galpão multiuso e campo de futebol;

  • O Porto de Suape realizou, em abril de 2014, sua primeira operação para o Entreposto da Zona Franca de Manaus (EZFM) em Pernambuco, instalado no município de Ipojuca. O EZFM em Pernambuco é o primeiro no Nordeste e o terceiro em operação no Brasil;

  • Em 2014, o Complexo de Suape ganhou um novo porto seco, ampliando sua área destinada à importação e à exportação de mercadorias. A área alfandegada, localizada às margens da PE-60, foi construída pela Wilson Sons Logística;

  • A Refinaria Abreu e Lima iniciou a operação do primeiro trem de refino em novembro de 2014;

  • Em 2014, foram concluídas as obras do novo Pátio Público de Veículos, com área de 15 hectares e capacidade estática de armazenagem de 6.504 vagas;

  • Em 2015, foi concluído o acesso rodoviário à Ilha de Tatuoca, onde estão localizados os estaleiros;

  • A empresa italiana Decal Brasil iniciou a produção de gasolina, em sua planta formuladora no terminal de armazenamento de combustíveis no Porto de Suape em abril de 2015;

  • Durante a 21ª Intermodal South America, em abril de 2015, o Porto de Suape firmou um protocolo de intenções com o Porto de Miami para aumentar a movimentação de cargas entre os dois portos e ampliar a atividade de cabotagem;

  • Em maio de 2015, foi realizado o sorteio dos lotes do Assentamento Sacambu, criado pela administração de Suape com 457 hectares, divididos em 51 lotes com 5 hectares cada, localizado no município do Cabo de Santo Agostinho. As famílias reassentadas moravam na área conhecida como Fazenda dos Trabalhadores;

  • A Shineray do Brasil S/A inaugurou em Suape, em junho de 2015, a primeira fábrica fora da China e a única de motocicletas no Brasil fora da Zona Franca de Manaus;

  • O Porto de Suape fechou o ano de 2015 na liderança de granéis líquidos entre os 37 portos públicos do país, com 14,24 milhões de toneladas;

  • Outro marco de 2015 foi a maior movimentação em cabotagem entre todos os portos públicos do Brasil. Suape bateu o recorde com 13,31 milhões de toneladas de cargas na navegação entre os portos situados na costa brasileira;

  • No primeiro semestre de 2015, a empresa de transporte e logística Tegma inaugurou sua unidade na Zona Industrial de Suape e a Pepsico ampliou sua fábrica de salgadinhos. No segundo semestre, ocorreram as inaugurações da Frompet e do Centro de Distribuição da Toyota do Brasil;

  • A Secretaria de Desenvolvimento Econômico de Pernambuco, a Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e Cultura (UNESCO) e a Agência Brasileira de Cooperação do Ministério das Relações Exteriores (ABC/MRE) assinaram acordo de cooperação técnica entre as três entidades para realizar o Projeto “Pacto por Suape Sustentável” em fevereiro de 2016;

  • Em 2016, algumas empresas passaram a utilizar o Porto de Suape como porta de entrada ou saída de seus insumos ou produtos. A Bosch começou a utilizar o Porto de Suape, em junho, para importar todos os produtos que chegam com destino ao novo Centro de Distribuição da empresa instalado no Cone Multimodal, no Cabo de Santo Agostinho.  Já em 1º de agosto, a Bic Brasil inaugurou o novo Centro de Distribuição, instalado no Entreposto da Zona Franca de Manaus (EZFM) em Pernambuco;

  • Em outubro de 2016, a Bemis, companhia americana do mercado de embalagens, inaugurou a expansão da sua unidade industrial no Complexo de Suape.

  • Em 2017, o laboratório Aché iniciou a terraplenagem do terreno onde foi instalada a maior planta industrial da marca para fabricação e distribuição de produtos farmacêuticos. O processo de instalação do Aché em Pernambuco foi um dos maiores aportes privados dos últimos anos no Brasil;

  • Na área portuária, 2017 foi ano de recorde na movimentação de cargas. O Porto de Suape alcançou o total de 23,6 milhões de toneladas de cargas (+ 4,7% em relação a 2016) que chegaram ou deixaram o porto pernambucano;

  • A administração de Suape lançou um chamamento público para identificar a existência de interessados na obtenção de credenciamento para exploração de pátio de triagem e estacionamento para caminhões destinados ou provenientes do Porto de Suape. Quatro empresas foram habilitadas e assinaram contrato com Suape para implantação dos pátios de triagem;

  • No final de 2017, houve a assinatura de contratos de arrendamento de duas áreas destinadas à instalação de usinas térmicas a gás no Complexo de Suape. Os valores ofertados foram de R$ 24,2 milhões pela Gasen e de R$ 30 milhões pela CHPK, para o prazo de 300 meses. Para que possam instalar a unidade geradora termelétrica (UTE), as empresas devem vencer leilão de energia realizado pelo Governo Federal;

  • Ainda em 2017, foi implantado o planejamento estratégico da empresa, com horizonte até o ano de 2023, que contou com o apoio da Secretaria de Planejamento e Gestão de Pernambuco. Também foi elaborado o primeiro Código de Ética e Conduta de Suape.

  • Em 2018, o grupo CH4 Energia anunciou um projeto de usina térmica a gás natural a ser implantado em Suape, num terreno de 16,5 hectares. Na ocasião, o grupo divulgou que o investimento previsto era de 4,5 bilhões.

  • A Agência Nacional de Transportes Aquaviários (Antaq) realizou, em setembro de 2018, duas audiências públicas presencias e simultâneas no Porto de Suape. Uma referente ao arrendamento de terminal destinado à movimentação e armazenagem de veículos (cargas Ro-Ro), denominado SUA-01; e a outra relacionada ao terminal para movimentação e armazenagem de contêineres (SUA-5). Os dois terminais a serem licitados estão localizados no porto pernambucano. Os futuros arrendatários terão de investir cerca de R$ 1,2 bilhão em obras de instalações e em equipamentos.

  • Ainda em setembro de 2018, Suape tornou-se o primeiro porto do Brasil a concluir licitação de arrendamento de área não-operacional para atividade de envase e distribuição de GLP. Nesse caso, significa dizer também que Suape foi o primeiro porto público do Brasil a desenvolver o projeto e ter o pedido de outorga aprovado pelo TCU desde a publicação da Lei dos Portos (12.805/2013). A empresa vencedora do certame foi a Copagaz Distribuidora de Gás LTDA.

  • Em outubro de 2018, a empresa Pandenor Importação e Exportação, localizada no Porto de Suape, concluiu as obras de expansão do seu parque de tancagem. Foram construídos oito novos tanques de armazenagem de granéis líquidos para aumentar a capacidade da empresa, que passou a armazenar mais 60 mil m³ dos produtos. Com a expansão, o terminal da Pandenor passou a ter capacidade para armazenar 122 mil m³ de combustíveis líquidos no total. A empresa investiu R$ 80 milhões na ampliação.

  • O Porto de Suape finalizou as agendas ambientais Institucional e Local em 2018, em um processo que envolveu diversos atores: agentes reguladores, fiscalizadores, agentes regulados (como pres-tadores de serviços) e a comunidade portuária. As agendas têm plano de ação e contribuem para o desenvolvimento na organização portuária de uma ação integrada, comprometida com a quali-dade ambiental da atividade, além de ratificar a intenção e o compromisso da Autoridade Portuá-ria em promover suas atividades em harmonia com o meio ambiente e contribuindo para a manu-tenção da qualidade ambiental da área na qual o Porto se insere.

  • Na área da governança, Suape elaborou e publicou o Programa de Integridade, Gestão de Riscos e Controles Internos em 2018.

  • O Porto de Suape bateu novo recorde histórico ao completar 41 anos de funcionamento. Em 2019, foram 23,8 milhões de toneladas de cargas movimentadas, volume 2% superior a 2018. A carga conteinerizada também bateu recorde. Houve um crescimento de 5,7%, passando de 5 mi-lhões de toneladas em 2018 para 5,3 milhões em 2019. Em TEUs (do inglês Twenty-foot Equivalent Unit - unidade equivalente a 20 pés), esse crescimento foi de 4,7 % (de 454.721 mil TEUs para 476.304 mil TEUs).

  • Em 2019, Suape foi um dos quatro portos brasileiros selecionados para implantar o software Port Community Systems (PCS), sistema de informações capaz de integrar todos os atores que fazem parte da comunidade portuária. A iniciativa é do Prosperity Fund, fundo de investimento britânico para países em desenvolvimento, e visa otimizar os processos do comércio exterior, reduzindo o tempo de importações e exportações nos portos brasileiros.

  • O ano de 2019 foi marcado pela inauguração de três empreendimentos no Complexo de Suape. Em maio, aconteceu a inauguração da Camil Alimentos, fábrica de beneficiamento de arroz, fei-jão e açúcar. Com investimento de R$ 22 milhões, a Camil conta com 6,5 mil m² de área construí-da e capacidade produtiva de 10 mil toneladas por mês. O Aché Laboratórios Farmacêuticos inaugurou a primeira etapa da sua fábrica em outubro, com investimentos da ordem de R$ 660 milhões. Com área de 250 mil metros quadrados, a nova planta produz, embala e distribui medi-camentos para toda a região Nordeste. No final do ano, a SIW Kits Eólico iniciou suas operações, ocupando 7,66 hectares de área. A indústria integra o polo eólico de Suape, atendendo inicialmen-te à LM Wind Power, fabricante de pás eólicas instalada no complexo.

  • Seguindo a estratégia de ampliar, globalmente, a visibilidade do porto e fazer novas conexões, a administração do Porto de Suape fez um acordo de cooperação técnica, em 2019, com a Autori-dade do Canal do Panamá (ACP), um dos principais players do transporte marítimo mundial.

  • Em dezembro de 2019, a Marinha do Brasil autorizou o Porto de Suape a receber navios porta contêineres de até 334 metros. A nova capacidade é um fator importante para estabelecer novas rotas internacionais.

  • Na área ambiental, foi implantado no Porto de Suape, em junho de 2019, o Centro de Prontidão Ambiental – Base Mar (CPA). O equipamento é pioneiro no Brasil em ações de prevenção e identi-ficação de potenciais riscos de acidentes com derramamento de óleo no mar e foi fundamental nas ações de contenção e remoção do óleo que atingiu as praias e rios da região.

  • Na área social, foram entregues, em julho, 1.121 casas da primeira etapa do Conjunto Habitaci-onal Nova Vila Claudete, no Cabo de Santo Agostinho, às famílias que moravam em áreas de pre-servação ecológica ou zona industrial de Suape. O habitacional foi construído com recursos do Programa Minha Casa Minha Vida num terreno de 97 hectares doados por Suape à CAIXA e à pre-feitura, dentro do conceito de bairro planejado

  • Na área de gestão de pessoas, foi concluído o Programa de Desligamento Voluntário (PDV), com adesão de 28 colaboradores com mais de 35 anos de serviços prestados à empresa Suape. Com a saída dos funcionários, em setembro de 2019, o quadro de colaboradores foi reduzido em 9,5% considerando os servidores efetivos e cargos comissionados. O PDV representa aos cofres da em-presa uma redução de R$ 7 milhões ao ano na folha de pagamento.

  • Na área de governança, a empresa Suape foi destaque, em 2019, em avaliação da Secretaria da Controladoria-Geral do Estado (SCGE). Suape ficou em primeiro lugar com 100% de execução dos 34 pontos de controle do Índice de Adequação ao Sistema de Controle Interno (IAS). Em outro índi-ce, o IAE, que mede a adequação das estatais à Lei nº 13.303/2016 (Lei das Estatais) e ao Decreto Estadual nº 43.984/2016, Suape ficou em segundo lugar e alcançou um percentual de 97% da me-ta estabelecida pela SCGE.

  • O Porto de Suape comemorou um novo recorde histórico em 2020. O balanço anual contabilizou 25,6 milhões de toneladas movimentadas, um aumento de 7,5% em relação a 2019. Suape mante-ve a liderança nacional na movimentação de granéis líquidos e na cabotagem entre os portos pú-blicos. É o principal porto do Norte-Nordeste em movimentação de veículos e contêineres.
  • Em julho de 2020, as empresas Sulog, Conelog e Êxito inauguram três pátios de triagem de ca-minhões, com 500 vagas estáticas cada, localizados próximo à área portuária. Antes de acessar o Porto de Suape, os motoristas passam por uma checagem de dados e do agendamento no termi-nal de destino, processo totalmente automatizado. Além da rapidez na triagem e agendamento, os caminhoneiros contam com serviços de apoio, como sala de descanso, unidade de atendimento de primeiros socorros, sanitários, restaurantes, entre outros benefícios.
  • Suape recebeu pela primeira vez um navio conteineiro da classe SAMMAX em agosto de 2020. A embarcação MSC NITYA B, com 330 metros de LOA, atracou no cais 2 do Tecon Suape. O navio tem capacidade para transportar 12 mil TEUs e possui 15,2 metros de calado máximo. A capaci-dade de receber esse tipo de navio reforça a vocação de Suape como hub.
  • Em 2020, o Porto Interno de Suape passou a receber operações ship to ship (STS) de granéis líquidos. STS é a transferência de cargas diretamente de navio para navio. Em Suape, essa ope-ração acontece regularmente na área do porto externo nos PGLs.
  • Em 2020, o SuapeGeo concluiu sua primeira etapa. O projeto consiste em uma plataforma de tecnologia de geoprocessamento e geolocalização voltada para estudos e informações sobre o território de Suape. A etapa finalizada corresponde à macroleitura das demandas de consumo de informação geográfica, definições de padrões tecnológicos GIS com manipulação e compartilha-mento de dados espaciais, aquisição de tecnologia e coleta de dados.
  • Na área industrial, em março de 2020, a empresa Ziranlog investiu R$ 15,5 milhões para im-plantar a sua fábrica no Complexo Industrial Portuário de Suape. Pertecente ao grupo Ziran, a nova empresa de logística armazena e transporta contêineres e, em Suape, vai atender direta-mente importadores e exportadores do Porto, reforçando os prestadores de serviço no núcleo de apoio logístico do Complexo.
  • Em setembro de 2020, a fábrica de embalagens plásticas para bebidas, alimentos, cosméticos e farmacêuticos Plastamp anunciou o investimento de R$ 11 milhões em ampliação na planta em Suape. A indústria, que já estava sediada em Suape em terreno alugado, realizou a aquisição do espaço e em novas tecnologias.
  • Durante a pandemia da Covid-19, o Complexo Industrial Portuário de Suape integrou o Comitê Especial de Abastecimento, capitaneado pela Secretaria de Desenvolvimento Econômico de Per-nambuco, garantindo que não faltassem produtos essenciais para a população pernambucana.
  • Na área social, houve a entrega da segunda etapa do Conjunto Habitacional Nova Vila Claudete, localizado no Cabo de Santo Agostinho, em fevereiro de 2020, totalizando 2.620 casas entregues às famílias.
  • Ainda no início de 2020, a administração do Complexo de Suape contratou o Serviço de Tecnolo-gia Alternativa (Serta), Organização da Sociedade Civil de Interesse Público (Oscip) reconhecida internacionalmente, para fomentar a geração de renda e melhorar a qualidade de vida das co-munidades locais. O contrato englobou a entrega de cinco laboratórios de ecotecnologias (conjun-to de tecnologias sustentáveis que promovem garantia alimentar às famílias e geração de renda), nas comunidades de Nova Vila Claudete, Praia de Gaibu, Engenho Massangana, Vila Nova Tatuoca e Assentamento Bruno Albuquerque de Maranhão, e a implementação de três ecotecnologias: uma aquaponia (sistema que une criação de peixes e cultivo de diversas hortaliças) e um biodiges-tor (ecotecnologia que produz biogás e biofertilizante utilizando fezes de bovinos), no Assentamen-to Valdir Ximenes e uma cisterna de ferro e cimento no Assentamento Bruno Albuquerque de Ma-ranhão.
  • Na área ambiental, em setembro de 2020, houve a inauguração do Centro de Prontidão Ambiental Base Terra, no Porto de Suape, reforçando ainda mais a segurança ambiental na área portuária. A base opera como primeira resposta a cenários como incêndio, explosão, vazamento de produtos perigosos, tombamento e colisão de veículos.

Contato

Km 10, Rodovia PE-60

Ipojuca - PE - Brasil

CEP: 55.590-000

PABX: +55 (81) 3527-5000

FAX: +55 (81) 3527-5066

Ouvidoria

Tel: +55 (81) 3527-5070

ouvidoria@suape.pe.gov.br

CANAL DE DENÚNCIA

Tel: +55 (81) 3527-5070

ouvidoria@suape.pe.gov.br

Redes Sociais

social social social
social social social

Links Úteis

antac       acesso
         

logo 3

      sei