Alt+Shift+c Ir para o conteúdo Alt+Shift+m Ir para o menu Alt+Shift+b Ir para a busca Alt+Shift+f Ir para o roda-pé
Cais

Quantidade de Berços, Tamanho dos Berços, Quantidade de Terminais (Públicos e Privativos, Extensão, Profundidade, Capacidade (navios)

Porto interno:

Atualmente, o porto possui 5 berços em atividade, todos com 15,5 metros de profundidade.
Cais 1 – É público, possui 275 m de extensão e movimenta carga geral, predominando a operação de minério de ferro, coque, escória e clínquer.
Cais 2 e 3 – Berços Privados que concentram a movimentação de contêineres, arrendados à empresa Tecon Suape, subsidiária da International Container Terminal Inc.. Ao todo são 660 m de cais com capacidade para movimentação de 600 mil contêineres/ ano.

Tecon –Suape:

Estrutura

Berço com 935m de extensão, sendo 660m de cais próprio (arrendado) e utiliza mais 275m de cais público.

Calado: 15,5m

Canal de Acesso: 390m de largura por 16,5m de profundidade.

Cais 4 – Inaugurado em 2007, é público e possui 330 metros de extensão. Atualmente, movimenta carga geral e grãos. A perspectiva do porto é iniciar em breve o desembarque de veículos por meio desse terminal. Um esteira rolante de 1,5 km foi construída para interligar esse cais ao moinho de trigo da Bunge Alimentos que já opera em Suape. Anualmente, serão movimentadas 800 mil toneladas do grão para processamento.

Cais 5 – Inaugurado em setembro de 2009, com 335 metros de extensão, o novo berço deverá movimentar nos primeiros anos de operação cargas gerais e açúcar a granel.

Porto Externo:

Possui um molhe de pedras de proteção em "L", com 3 mil metros de extensão e abriga dois píeres de granéis líquidos, um cais de múltiplos usos e uma tancagem flutuante de GLP. Um píer petroleiro com dois terminais de atracação está sendo construído com previsão para ser inaugurado em 2010. Navios petroleiros de até 170 mil TPB poderão atracar em Suape depois dessa obra.

Píer de Granéis líquidos 1 – PGl 1

Possui 330m de extensão, 2 berços para navios de 190 metros de comprimento e 14m de profundidade para atracação de navios de 45 mil TPB. Sua plataforma central conta com 84m comprimento e 25m de largura, 4 dolfins laterais e ponte de acesso a tubulações de transporte de granéis líquidos.

Píer de Granéis líquidos – PGl 2

Com 386m de extensão, tem 2 berços para navios de 270m e 14,5m de profundidade para atracação de navios de 90 mil TPB. Possui plataforma de operações com 10 dolfins para atracação e amarração. Ambos píeres são operados por empresas habilitadas pela Agência Nacional de Petróleo, a ANP e pré-qualificadas pelo Porto de Suape.

Cais de Múltiplos Usos (CMU)

Terminal Marítimo com 320m de comprimento por 39m de largura, 15,5 m de profundidade e dois berços de atracação. O berço leste tem capacidade de receber navios de até 260m de comprimento e o oeste recebe navios de até 150m. Possui ponte de acesso com 20m de extensão e 15m de largura, 18 cabeços de amarração no berço leste e 14 cabeços no berço oeste, e um terminal roll-on-off, com rampa de 30m de comprimento e 20m de largura.

Tancagem Flutuante de GLP

Realizada por navio de gás refrigerado de 45 mil TPB e 75 mil m³ de capacidade, que atende, a contrabordo, a navios de igual porte. Atualmente, a tancagem está atracada no berço oeste do PGL-1. 

Calado máximo: 20 metros na bacia de evolução do porto externo. 

Tempo médio de espera para atracação: Em geral os navios não precisam aguardar para atracar.  

Capacidade média de carga e descarga: Graneis líquidos – píeres – 1 mil m³p /hora. Contêineres – 40 contêineres por hora.

Graneis sólidos – 800 toneladas por hora. 

Pátios – 45 hectares. 

Tanques - 500 mil m³ de graneis líquidos. 

Nº de silos e capacidade – 9 silos de 5 mil toneladas (cada) em um total de 45 mil toneladas.

Área de contêineres (m2): 45 hectares.

Área alfandegada – 55 hectares. 

Área total – 13,5 mil hectares.


Volume total de produtos movimentados (toneladas/ano) – Em 2009 foram movimentadas no porto 7,7 milhões de toneladas de carga. Em 2008, foram 8,6 milhões.


Principais produtos movimentados - Granéis líquidos (derivados de petróleo, produtos químicos, álcoois, óleos vegetais etc), granéis sólidos, carga geral e contêineres.

Software para controle de pátio, de navios e/ou para simulação/otimização – Está em fase de implantação o sistema de monitoramento da navios à lase AIS/ VTS.


Equipamentos:

a) Empilhadeiras

b) guindastes,

c) portêineres

d) transtêineres

e) outros (acrescentar)

Tecon Suape:

2 portêineres Post-Panamax com capacidade com 65t

cada.

2 portêineres Panamax com capacidade para 40t.

10 Reach Stacker com capacidade para 45t.

8 trantêineres RTG’s, sendo 2 com capacidade de 41t.

e 2 de 35t.

520 tomadas reefers para contêineres congelados.

50 tomadas para PTI (Pré Trip Inspetion).

11 carretas.

Cais 1

2 Guindaste LIEBHERR – Brandão & Filhos e Mhag Mineração – Ambos com capacidade para movimentar 18 mil toneladas por dia.

2 Esteiras rolantes móveis.

PGl 1

10 Braços mecânicos.

PGl 2

4 Braços mecânicos.

Força de Trabalho

a) Quantidade de pessoas trabalhando (efetivas e temporárias)

Cerca de 15 mil trabalhadores estão em Suape hoje, entre funcionários das empresas e pessoas envolvidas nas obras de implantação dos empreendimentos e nas obras de infraestrutura.

Expertise do porto?

Em análise realizada pela COPPEAD/ UFRJ em 2007, o Porto de Suape foi considerado o melhor porto público do País, e um estudo da Agência Nacional de Transportes Aquaviários (Antaq) classificou o porto como a Segunda Melhor Gestão Ambiental entre os Portos Brasileiros. Em 2010, o Instituto de Logística e Supply Chain (Ilos) apontou Suape como o Melhor Porto Brasileiro em pesquisa realizada com mais de 300 empresários.